Minha paixão recente por futebol americano

Lembro perfeitamente da primeira vez em que vi a bola oval voando na televisão. Quer dizer, nem tão perfeitamente assim. Minha memória é falha e eu costumo adicionar coisas que não vi às que eu realmente vi, somente para ter um cenário completo. Acho que todo mundo faz isso. Não chega a ser uma mentira, mas entraria na categoria das inverdades.

Era um jogo do Cleveland Browns e o quarterback do time (nem sei se já era o Hoyer naquele jogo; com certeza não era o Johnny Manziel, pois ele estava este tipo de coisas naquela época) estava em uma tentativa de terceira descida para uma porrada de jardas. Se eu não me engano eram 19 jardas. Eu não sabia naquela época mas, em uma jogada dessas, normalmente os caras colocam uns quatro wide receivers, um tight end e, se pudesse, até a mãe para poder receber a bola nessa lonjura toda. É uma jogada que todo mundo sabe como vai ser: arriscada, perigosa e nem tão recompensadora. Inclusive acho que o quarterback realmente lançou a bola para a mãe dele, pois ele foi interceptado. Com o tempo você percebe que, se você tem quarterbacks ruins como Hoyer, Jay Cutler ou Andy Dalton, compensa você tentar uma corrida de umas 10 jardas, sofrer o tackle, ser derrubado, posicionar melhor seu time em campo e mandar o punter descer a botinada pra devolver a posse de bola para o adversário. É o que Bill Belichick mandaria fazer nesta situação, até porque ele não é trôxa. Se bem que ele tem à disposição a dupla Brady-Gronkowski, então é outra história.

Continue reading “Minha paixão recente por futebol americano”