[REVIEW] Random Access Memories

Once you free your mind about a concept of harmony and music being a correct, you can do whatever you want. So nobody told me what to do, and there was no preconception of what to do” (Giorgio Moroder em “Giorgio by Moroder”)

 

Random Acces Memories provavelmente é o conteúdo musical em que mais eu fiquei hypado na minha vida. Na verdade, ele é o primeiro álbum de música que esperei. Primeiro, por causa do The Collaborators, onde os principais caras que participaram do disco contam suas origens, como conheceram o Daft Punk e como foi o trabalho em RAM. Giorgio Moroder, Nile Rodgers, Pharrell Williams, Chilly Gonzales e outras feras juntos com o Daft Punk. Não tem jeito de sair coisa ruim. E não saiu. Em segundo lugar, todo um povo fazendo remix dos trechos de Get Lucky que tocavam nas entrevistas dos colaboradores. Engraçado perceber que, por mais que nós nos esforcemos, nunca alcançaremos o nível de verdadeiros artistas.

Continue reading “[REVIEW] Random Access Memories”

Um monstro internético: o spoiler (ULTIMATE™ considerações sobre este problema)

Tava aqui pensando sobre os maiores filhos da puta (ou seria filhos-das-putas? Existe plural num xingamento? Se sim, a regra continua valendo para os xingamentos aplicados com justiça?) que existem por aí nas interwebs. Com certeza são os que espalham spoiler por aí. Eles são ao mesmo tempo os que saciam a fome dos hypers (aqueles que fantasiam sobre uma coisa e não consegue pensar em outra coisa) e que fodem com a vida do resto da população intergalática. Pense: nossos pais nunca passaram por essas duas coisas que são comuns hoje em dia, o hype e o spoiler. O canal de TV que eles acompanhavam não iria liberar teasers trailers dos próximos acontecimentos da novela. Ou melhor, não vazavam fotos dos sets de filmagem do próximo clipe do Michael Jackson. O clipe vinha, era anunciado no Fantástico e o máximo de hype que você tinha era esperar o fim do programa. Hoje, com essa maldita internet, temos entrevistas com os colaboradores do Daft Punk ou então trailers de dois minutos dos filmes que podem ser pausados em busca de referências e easter eggs. Só que temos também, por exemplo, os malditos que vazam o roteiro de The Last of Us.

Continue reading “Um monstro internético: o spoiler (ULTIMATE™ considerações sobre este problema)”