Lembro que quando anunciaram o WiiU, eu fiz um post comentando porque tava uma bosta, porque tava bom, porque tava whatever, os jogos, aquele blábláblá de sempre. De certa forma, os jogos que a Nintendo mostrou naquele dia me empolgam muito mais do que os mostrados para o PS4. Vai ter até Watch Dogs no Wii U, então tá tranquilo. Não que eu não goste do PS4, mas é que jogos como Destiny e Killzone não me empolgam nem um pouco. É questão de gosto mesmo. Pra falar a verdade, fiquei empolgado com Deep Down e The Witness. O primeiro é um RPG dungeon crawl (aparentemente) e que me pareceu o jogo com os gráficos mais espetaculares do anúncio do PS4 (mas com o cenário, que é o que importa, bastante whatever). Deep Down é feito pelo Capcom, então é sempre bom ter um pé atrás. Já The Witness é do mesmo criador de Braid, então o jogo será lindo e com aqueles puzzles que fazem a alegria da galera. Só que esses jogos não serão exclusivos de PS4. Então tanto faz. Deve ser bem melhor jogar no PC.

Só que, em uma apresentação em que a Sony não mostrou o design do PS4 (para o ódio idiótico de muita gente), o que acabou atraindo mais a atenção foi o seu controle. Depois do fracasso do bumerangue, o PlayStation 3 passou a vir com um controle “normalzinho”, sem frescuras. Mas aí a gente chega em 2013 e eis que surge esse controle aí pro PS4.

 

Apesar de parecer mais ergonômico, ainda acho que está muito, mas muito feio. Quem desenhou saporra?
Apesar de parecer mais ergonômico, ainda acho que está muito, mas muito feio. Quem desenhou saporra?

 

Três coisas sobre o controle. Um, finalmente a Sony melhorou a ergonomia do Dualshock (demorou, por sinal). Dois, esses analógicos parecem ser realmente confortáveis e com um bom grip. Três, todas essas paradas de touchpad, telinha minúscula, cores e whatever serão inúteis. Confiem em mim.

Agora uma coisa que vocês verão de montão são coisas e mais coisas soltas pela internet através do botão Share. Uma primeira pergunta: porque diabos a Sony colocou um botão exclusivo para compartilhamento através do controle? Isso obviamente está ligado a alguma estratégia de dominação internética que não faço a mais puta ideia do que seja. Falando sério agora, não faz o mínimo sentido. Os “gamers de verdade” não utilizarão isso, você diria. Será? Hoje até os mais recatados, tímidos, introvertidos e controvertidos (existe isso?) possuem perfis em meia dúzia de redes sociais e falam com mais pessoas em um dia do que seus pais falaram em uma vida inteira.

Mas e a quantidade absurda de conteúdo inútil de jogatina que cairá na rede agora? Um botão, uma confirmação e pimba, sua épica luta contra um monstro gigante (recheada de quick time events que todo mundo teve que passar) cai na rede. O mesmo processo e um TDM no qual você fez 30/1 e perdeu o melhor scorestreak por causa do /1 cai lá no seu Facebook. Sério, que chato. Que chato poder colocar um tela do lado com os comentários dos seus amigos aparecendo em tempo real durante a jogatina em livestream. Nada substitui a presença física (a não ser holodecks, mas aí é outra história). E imagina a quantidade de moleques que montarão seus canais de gameplay só com isso? Todos esses moleques que ainda nem sabem falar e ficam sussurrando e falando coisas incompreensíveis, noobando fortemente e arrgh… isso aqui tá parecendo um post da série de coisas irritantes.

 

Imagina só que merda.
Imagina só que merda.

 

Você realmente precisa mostrar pra todo mundo tudo o que está fazendo? Aquela situação engraçada no jogo não tem tanta graça quando todos os seus passarão pela mesma situação. Ao longo dos últimos anos, o ato de assistir alguém jogando videogame vem se tornando tão comum quanto propriamente jogar videogame. Eu, por exemplo, passei pela modinha dos canais de gameplay. Assisto um vídeo ou outro. Acompanho uns 4 canais regularmente e nem são todos os vídeos que eu assisto. Livestream foi moda pra mim durante, sei lá, dois meses. Esse negócio de mostrar em vídeo um jogo de videogame é próprio de adolescentes. Logo, o botão “share” é uma criação voltada para os adolescentes. E depois argumentam que videogame não é coisa de criança e tals. Pode até não ser coisa de criança, mas continua extremamente infantil. Não vejo o quão interessante um videogame com botão de compartilhar ajudaria em um game como o aguardado The Last Guardian. Jogos como esse (espero assim) não são legais de ficar compartilhando por aí. O mais legal é descobrir sozinho.

Por falar em descobrir sozinho, parece que cada vez mais as pessoas sentem a necessidade de precisar de ajuda para cumprir os objetivos. Se um jogo não te mostra com funciona algo em 30 segundos, pronto: game lixo, jogabilidade merda e por aí vai. Lembro da época em que você precisava testar todos os tipos de comando para tentar vencer um chefão. Essa busca persistente torna você uma pessoa melhor, mais confiante. Quando você se depara com uma coisa e logo posta uma foto perguntando como se pega/usa determinado item, você está estragando a principal atratividade do videogame em relação a outras mídias: a interatividade.

Só que na próxima geração de jogos, os conceitos de interatividade jogador-game e sociabilidade jogar-mundo ficarão cada vez mais próximos. No meu caso, que sou um cara vidrado em RPGs, é sofrível ver os games caminhando cada vez mais para os lados das redes sociais. Sei lá, gosto de cada coisa no seu devido lugar. Porém este é um caminho natural e sem volta. Mas, especialmente para mim, um cara de poucos amigos, a jogatina single player é a minha preferida. Pegar um RPG, explorar, testar todas as possibilidades e perder horas fazendo grind (coisa chata que eu gosto) sem ninguém encher o saco é uma das melhores coisas que existem. Mas já pensou se eu esbarro nessas paradas de share?

Sou desses que odeia mostrar qualquer coisa além do necessário em redes sociais. Penso antes de publicar qualquer parada. “Ain, mas você tem um blog no estilo diário, conta sua vida toda”. Alguma vez falei de alguém da minha família (exceto minha mãe)? Aliás, mesmo as minhas irmãs praticamente nem são citadas aqui. Vocês precisam parar com esse negócio de mostrar a vida de vocês inteirinha nas redes sociais. Deixem o principal para uma conversa 1×1. E, Sony, não vai ser agora que vou ter que mostrar que jogo com um Warrior de 200kg com um martelo em uma mão e… vejam só… acabei de matar um cíclope. Peraí que eu vou mandar o print.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s