Você provavelmente já viu aquela criança mal-criada que, não importa o quanto os pais se esgoelem, os desgraçados vão lá e fazem coisa errada. Ficam correndo pra lá e pra cá, sujando a casa, jogando brinquedos no quintal dos vizinhos e, usando uma expressão bastante atual, tocando o puteiro. Crianças são uma peste, ainda mais quando você procura falar com eles como se fossem pessoas adultas. Parem com saporra. Crianças são crianças. E todo mundo sabe que é preciso falar tudo o contrário para que elas entendam. Se você quer que elas não brinquem de correr pela casa, diga “Podem brincar, mas depois uma coisa ruim vai acontecer”. Se você estiver nervoso, a saída é dizer “Podem correr à vontade, seus desgraçados, mas o BOPE vem aí”. Aliás, sempre quis substituir o bicho-papão pelo BOPE. Se fosse a ROTA então, putz.

Com crianças, a utilização da psicologia reversa é essencial. A psicologia reversa é dizer uma coisa para provocar o contrário. É dizer para a pessoa, por exemplo, não ir em uma viagem porque pode ser perigoso justamente para a pessoa ir nessa viagem. Você sabe que aquela pessoa gosta de desafios e de perigo. Afinal, quem não gosta de enfrentar o perigo? Tem leão que até ri da cara do perigo.

Na época da escola, um amigo e eu desenvolvemos a prática da psicologia reversa. À moda caralha, claro, mas de um modo bastante legal. Era sempre engraçado ver a reação das pessoas ao pedir que elas não façam certa coisa. A sensação de provocar alguém para conseguir o efeito contrário dá um poder inigualável. Eu me sentia o próprio Ben, de Lost, fazendo com que as pessoas se voltem contra elas mesmas sem saberem. Fuck mind control.

 

"How many times do I have to tell you, John? I always have a plan"
“How many times do I have to tell you, John? I always have a plan”

 

Normalmente a psicologia reversa, como descobri um tempo depois, só funciona com as pessoas mais teimosas. Aqueles que são bem tranquilos e/ou não se preocupa muito com a opinião dos outros acabam não sendo tão atingidos. Lendo por aí, vi que a psicologia reversa que, quanto maior o “fruto proibido”, mais a pessoa sente vontade de ter aquilo. Assim, percebam o quanto o Deus cristão é um FDP. Observem que, pensando pelo lado da psicologia reversa, ele queria que Adão e Eva provassem do fruto para saberem como era o mal. Logo, aquele papinho depois dos primeiros humanos comerem o fruto foi só para pagar de sábio. Deus, ESTAMOS DE OLHO. Outra coisa é que o maior retardante psicológico é a privação da liberdade. Logo, a parada do BOPE que eu inventei lá no primeiro parágrafo deve funcionar mesmo (espero testar isso com meu sobrinho em breve). Por fim, ameças que envolvem decisões geram mais rebeldia. Por isso não é bom dar muitas opções para as crianças.  

Vou dizer aqui uma das últimas aplicações de psicologia reversa que eu pratiquei. Falei para minha amiga Giovana que, neste ano, ela poderá ir em todos os eventos de social media. No entanto, meu objetivo é que ela NÃO vá em todos esses eventos. Aí eu poderei dar aquela zoada falando que ela não cumpriu seus objetivos. Tudo isso apoiado pelo poder da printada. Esse poder da psicologia reversa é próximo ao de “botar pilha” numa pessoa para que ela faça algo sobrecarregada. É sempre legal botar pilha em alguém.

 

Ele chamou sua mãe de coxinha e falou que come ela.
Ele chamou sua mãe de coxinha e falou que come ela.

 

Poderes psicológicos é algo que eu sempre achei foda, até mesmo na ficção. Não é preciso ser forte para derrotar o inimigo. Só é preciso controlar os fortes para que eles lutem por você. Eu já disse aqui que meu mangá preferido é HunterXHunter. Lá, tem um personagem chamado Illumi, um assassino que usa agulhas para, ao colocá-las em uma pessoa, controlá-la. Sempre achei esse personagem foda e, na vida real, esse poder seria bastante útil.

Espero que vocês utilizem mais desses pequenos poderes que a psicologia nos deu. Quer dizer, não foi a psicologia que nos deu. Ela só explicou. Agora, por favor, feche essa página e não leia o post anterior que pode ser encontrado logo aqui embaixo. Um abraço. 

2 thoughts on “Psicologia reversa (não leia este texto)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s